Bem-vindo visitante [Login]
BIBLIOGRAFIA


Barbosa Rodrigues, J. 1877. Genera et species Orchidearum Novarum. C.&H Fleiuss, Rio De Janeiro.

Blanco, Mario A. et allii. 2007. Generic realignments in Maxillariinae (Orchidaceae). Lankesteriana 7(3):515-537.

Breier T.B. & Rosito, J.M. 1999. Orquídeas epifíticas de uma floresta sazonal na encosta da Serra Geral, Itaara, RioGrande do Sul, Brasil. Revista Ciência e Natura 21:65-75.

Brustulin, Jacqueline e Schmitt, Jairo Lizandro. 2008.Composição florística, distribuição vertical e floraçã ode orquídeas epifíticas em três parques municpais do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisas, Botânica 59: 143-158.

Buzatto, C.R. 2006. Epifitismo vascular: aspectos ecológicos em floresta ombrófila mista. Passo Fundo, Universidade de Passo Fundo.

Buzatto, C.R., Freitas, E.M., Silva, A.P.M. & Lima, L.F.P. 2007. Levantamento florístico das Orquidaceae ocorrentes na Fazenda São Maximiano, Município de Guaíba, Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Biociências 5 (2-3): 19-25.

Citadini-Zanette. V.1984. Composição florística e fitossociologia da vegetação herbácea terrícola de uma mata de Torres, Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia ser. Bot. 32: 23-62.

Freitas, E.M. & Jasper. A. 2001. Avaliação da Flora Orchidaceae em uma porção de floresta estacional decidual no Município de Lajeado, Rio Grande do Sul. Pesquisas, ser.bot. 51: 113-127.

Freuler, Maria Julia. 2005. 100 orquídeas argentinas. Editorial Albatross, Buenos Aires, Argentina.

Giongo, C. & Waechter, J.L. 2004. Composição florística e estrutura comunitária de epífitos vasculares em uma floresta de galeria na Depressão Central do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Botânica 27 (3): 563-572.

Gonçalves, N.C. & Waechter, J.L. 2002. Epífitos vasculares sobre espécimes de Ficus organensis isolados no norte de planície costeira do Rio Grande do Sul: padrões de abundância e distribuição. Acta Botânica Brasileira 16 (4): 429-441.

Hoehne, F.C. 1949. Iconografia de orchidaceas do Brasil. São Paulo, Secretaria de Agricultura, Indústria e Comércio.

Insaurralde, Irma Stela e Radins, José Antonio. 2007. Misiones – Orquídeas/Orchids. Golden Company,Buenos Aires, Argentina.

Johnson, A.E. 2001. Las orquídeas Del Parque Nacional Iguazu. L.O.L.A. Buenos Aires, Argentina.

Miller, David et allii. 2006. Serra dos Órgãos: sua história e suas orquídeas.

Nunes, V.F. & Waechter, J.L. 1998. Florística e aspectos fitogeográficos de Orchidaceae epifíticas de um morro granítico subtropical. Pesq.Bot. 48:127-191.

Pabst, G. & Dungs, F. (1975-1977). Orchidaceae brasiliensis. Band. I-II. Brucke, Hildesheim.

Pabst. G.F.J. 1953. Contribuição para o conhecimento das orquídeas de Santa Catarina e sua dispersão geográfica. Sellowia 5: 39-93.

Potter, K. & Backes, A. 1985. Orquídesa nativas dos morros graníticos da grande Porto Alegre. Museu de Ciências da PUCRS, ser. Bot. 38: 129-138.

Rambo, B. 1950. A porta de Torres. Anais botânicos do Herbário Barbosa Rodrigues, 2. (2): 9-20.

Rambo, B. 1954. História da flora do litoral riograndense. Sellowia 6:113-172.

Rambo, B. 1965. Orchidaceae riograndensis. Iheringia. Bot. 13:1-96.

Rocha, F.S. e Waechter, J.L. 2006. Sinopse das Orchidaceae terrestres ocorrentes no litoral norte do Rio Grande do Sul, Brasil. Acta Botanica Brasileira 20 (1): 71-86.2006

Rodrigues, J.B. Iconographie des orchidées du Brésil. Friedrich Reinhardt Verlag, Basle.

Rossoni. M.G. & Baptista, L.R.M. 1994: Composição florística da mata de restinga, Balneário Rondinha, Arroio do Sal, Rio Grande do Sul, Brasil. Pesquisas ser. Bot. 45: 115-131.

Schlechter, R. 1925. Die Orchideenflora Von Rio Grande do Sul. Repertorium Specierum Novarum Regni Vegetabilis 35: 1-108.

Schultz, A.R.H & Porto, M.L. 1971. Nota prévia sobre o levantamento florístico de quatro regiões naturais do Rio Grande do Sul. Iheringia ser. Bot. 15: 19-47.

Sevegnani, L. & Baptista, L.R.M., 1996. Composição florística de uma floresta secundária, no âmbito da Floresta Atlântica. Maquiné, RS. Sellowia 25-48: 47-71.

Singer, R.B., S.Koehler & G.Carnevali, 2007. Brasiliorchis: a new genus for the Maxillaria picta alliance (ORchidaceae: Maxillariinae). Novon 17: 91-99.

Toscano de Brito, A.L.V. 2007. A taxonomic revision of the genus Phymatidium (Orchidaceae: Oncidiinae). Kew Bulletin 62: 529-560.

Veloso. H.P. & Klein, R.M. 1963. As comunidades e associações vegetais da mata pluvial do sul do Brasil. Selowia 15 (15): 57-114.

Waechter, J.L. 1985. Aspectos ecológicos da vegetação de restinga do Rio Grande do Sul, Brasil. Comunicações do Museu de Ciências PUCRS, Série Botânica 33: 49-68.

Waechter, J.L. 1986. Epífitos vasculares da mata paludosa do Faxinal, Torres, Rio Grande do Sul, Brasil. Iheringia, Série Botânica 34: 39-49.

Waechter, J.L. 1998b. Epifitismo vascular em uma floresta de restinga do Brasil subtropical. Revista Ciência e Natura 20: 43-66.



Site desenvolvido por Jacques Klein